News
Loading...

PAI MATA E ARRANCA O SACO ESCROTAL DO ESTUPRADO DO FILHO DE 9 ANOS.

Um agricultor foi preso na noite de quinta-feira (6) suspeito de matar um homem que teria violentado o filho dele, de 9 anos, no município de Tonantins, a 865 km de Manaus. Após o homicídio, ele se entregou à polícia. A criança teria sido amarrada dentro de um curral, na quarta-feira (5).
O agricultor se apresentou na sede do Conselho Tutelar de Tonantins, dizendo que havia disparado contra o suspeito, que era conhecido da família. O homem teria aproveitado que estava somente a mãe e a criança em casa, para cometer o abuso.
“Chegou no conselho este caso. Ele [o suspeito] sempre aparecia lá pela casa da família. Na versão do pai, o suspeito apanhou um açaí e mandou a esposa [do agricultor] preparar. No que a mãe da criança se entreteu na cozinha, ele chamou o menino para um curral e se aproveitou da criança lá”, disse o conselheiro Luís José Custódio.
Segundo testemunhas, o suspeito chegou a amarrar a criança dentro do curral para poder cometer o abuso. Ao perceber a chegada do pai, ele fugiu para uma área de mata. A família socorreu o menino e o agricultor entrou na mata atrás do agressor.
Dentro da floresta, o pai teria desferido dois tiros contra o homem, que morreu no local. Em seguida arrancou o saco escrotal do estuprador e depois foi até o Conselho Tutelar para se entregar.
“O pai da criança confessou [que matou o cara]. Ele falou que deu dois tiros. Ele disse que correu para o mato atrás do dele”, disse o conselheiro.
O conselheiro acionou os policiais militares de Tonantins. Os policiais apresentaram o suspeito no 54º Distrito Integrado de Polícia (DIP) município, na noite desta quinta-feira (6).
O Conselho Tutelar do Município disse que vai disponibilizar apoio psicológico para a família e para a criança vítima de violência sexual.

Fonte: Globo.com
Share on Google Plus

Produção ROTA MAMORE

Mande sua sugestão de repostagem aqui. rotamamore@gmail.com ou ligue ou mande suas imagens no whatsap: (69) 99368-6667 ou 99261-1156. Sua identidade será mantida sob sigilo.