News
Loading...

Acadêmicos exigem histórico escolar de faculdade que falsificava diplomas em RO


Alunos e ex-alunos da faculdade investigada pelo Ministério Público de Rondônia (MP-RO) por fraudar diplomas do ensino superior se reuniram, nesta sexta-feira (17), para pedir uma reposta sobre o histórico escolar dos acadêmicos e a validação dos certificados dos ex-universitários já formados.

Além disso, os manifestantes fizeram a entrega de documentos para a realização de banco de dados do MP-RO.

De acordo com a estudante Eliane Aguiar, que estuda o 6° de período de pedagogia, cerca de 24 pessoas saíram de Cujubim (RO) até Porto Velho em busca de respostas.

"Nossa turma veio em peso para pedir explicações sobre o nosso histórico escolar. Nos sentimos lesados e só pedimos o nosso histórico para que possamos ingressar em outra faculdade e assim concluir o ensino superior", explica a estudante.
Eliane conta ainda que, por causa da faculdade, deixou de trabalhar para realizar os estágios.

"Eu trabalhava e aí tive que parar para fazer o que o curso pedia, que era o estágio. Então agora eu estou sem emprego e sem estágio. Por isso estamos aqui esperando uma resposta", conta a jovem.
O também estudante de pedagogia, Décio Bruno, 36, saiu de Cujubim para pedir o histórico escolar da instituição investigada.
"Eu estudei três anos na faculdade com minha esposa. Eu deixava meus filhos com outra pessoa. Nosso maior medo é perder a continuidade do nosso estudo. Precisamos que isso seja resolvido. O MP-RO já entrou com uma ação coletiva de danos morais e restituição financeira, mas nós queremos mesmo é não perder o que estudamos", conta o estudante.


Um empresário de 36 anos, que prefere não se e identificar, informou ao G1 que se formou em julho e já iria ingressar em uma pós-graduação na área de administração, mas não será possível devido ao diploma ser falso.

"Fizemos um seminário antes de formarmos e agora todo mundo está fazendo 'chacota' com a nossa turma. Sem contar que eu gastei R$ 15 mil, ao longo de quatro anos, e meu diploma ainda é falso. Eu não quero o dinheiro, mas sim meu diploma validado", conta o empresário de Nova Mamoré (RO).

Ação Coletiva


O MP-RO divulgou, por meio de nota, que uma ação coletiva de danos materiais e morais foi ajuízada em prol de todos os consumidores que estudaram ou estudam na instituição investigada.

O MP-RO pede na ação coletiva o fechamento imediato de todas as unidades da instituição investigada, com sede em Rondônia e Amazonas.
O MP-RO informou que sobre a validação ou não da diplomação expedida está já está judicializada perante o juízo estadual da comarca de Guajará-Mirim (RO), onde certamente os interessados terão assegurada a mais ampla defesa e o respeito absoluto a todas as garantias constitucionais
Além de se manifestarem, os alunos e ex-alunos se reuniram na sede do MP-RO para entrega de documentos necessários para o banco de dados do MP-RO, por conta da ação coletiva.


Operação Apate


O MP-RO deflagrou a Operação Apate no dia 7 de novembro. As investigações constataram que uma organização criminosa oferecia cursos de graduação e pós-graduação falsos e sem a autorização do Ministério de Educação (MEC).
A operação foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e pela Promotoria de Justiça de Guajará-Mirim, cidade a cerca de 330 quilômetros de Porto Velho.
Conforme o MP-RO, a organização criminosa presta serviços educacionais e enganou alunos ao afirmar que possuía autorização para emitir certificados de graduação e pós.
A investigação apontou ainda que os diplomas falsos foram adquiridos ilegalmente de outras instituições de ensino. Foi constatado que a quadrilha está instalada em 17 localidades, sendo 14 em Rondônia

Fonte : G1 
Share on Google Plus

Produção ROTA MAMORE

Mande sua sugestão de repostagem aqui. rotamamore@gmail.com ou ligue ou mande suas imagens no whatsap: (69) 99368-6667 ou 99261-1156. Sua identidade será mantida sob sigilo.

0 comentários :

Postar um comentário